Artigos > GEAE

 

Espiritismo, Instrumento de Libertação aos Jovens
Valentim Lorenzetti

(Texto de Valentim Lorenzetti, "Caminhos de Libertação", editora Aliança,
enviado por Alexandre Luiz Puccinelli, Mocidade CEAE Santos)

Já ouvimos muita gente dizer que a prática religiosa é coisa para pessoas idosas. Esta, talvez, seja uma afirmação de quem ainda tem da religião uma noção relacionada com ritual, dogmatismo, ou coisa parecida com estagnação. Na realidade, religião não é nada disso; como ato de religar a criatura ao Criador, ela é totalmente dinâmica. Religião é busca incessante, progresso permanente, evolução constante, aperfeiçoamento sem limites rumo ao infinito.

Não se pode admitir religião estática ou militante das potencialidade criadoras do ser humano. Pelo contrário, a religião deve despertar em todo indivíduo a centelha divina a ponto de transformá-la em facho permanente de luz. É interior, de dentro para fora. Não podemos iluminar uma criatura de fora para dentro. Deve projetar-se em favor de seu próximo, pois também não se entende iluminação espiritual sem fraternidade, sem colaborar para o progresso de nosso semelhante.

O Espiritismo, como religião, como Cristianismo redivivo, fornece ao homem o "combustível" para essa iluminação interior, para o conhecimento de si mesmo. A Doutrina Espírita não se preocupa em dirigir o indivíduo, em dizer-lhe o que deve fazer hoje e amanha, mas, tão somente em lhe indicar caminhos de libertação. É, portanto, uma religião que vem perfeitamente de encontro às aspirações dos jovens. E também às necessidades dos velhos, já que o espírito é imortal: envelhece e perece apenas o corpo físico.

Dizemos que atende às aspirações dos jovens porque estes particularmente estão em busca de liberdade e com muita freqüência caem escravizados sob algozes diversos, porque interpretaram mal o sentido da liberdade. A liberdade não é "fazer tudo aquilo que a gente quer"; é fazer aquilo que realmente nos liberta interiormente. Se fizermos tudo aquilo que queremos, normalmente nos estaremos escravizando a uma série de mitos; os mitos que representam aquilo que queremos fazer.

Entre esses mitos podemos incluir:

  • O Mito da independência precoce com relação à família;
  • O Mito da liberdade sem responsabilidade (desregramentos generalizados);
  • O Mito da alienação ("não vale a pena colaborar para a sociedade que aí esta");
  • O Mito do engajamento em ideologia que prega a violência.

Como mitos que são, não libertam ninguém e nem preparam ninguém para amanha ser pregoeiro da liberdade. Como mitos que são, de aspectos exteriores, são todos escravizantes.

Não atingem o espírito; não são revolucionários; são essencialmente reacionários. São paralisantes das faculdades espirituais, tóxicos, anestesiantes, rotulados de libertadores do homem.

Busque o jovem o Espiritismo como instrumento de libertação interior e meio que lhe faculte condições para promoção da sociedade, e estará encontrando-se a si próprio.

Liberdade que esclarece e dá ao homem condições de andar sozinho e de dar a mão ao seu semelhante infeliz, procurando iluminá-lo também para que amanha o necessitado de hoje seja, também ele, aquele que ajuda o próximo.

(Publicado no Boletim GEAE Número 325 de 29 de dezembro de 1998)